Seja bem-vindo a este blog!


Seja bem-vindo(a) a este blog!

Criado com o intuito de partilhar momentos de criatividade, numa vertente poético-fotográfica, este espaço é aberto a todos os visitantes interessados no resultado que a metamorfose das emoções possibilita.

Atrevo-me, pois, a pendurar nas "paredes" desta minha "sala de visitas", o que constitui o acervo da minha galeria de lembranças.

Obrigado pela sua visita!

Agnaldo Lima


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

VI - um corpo... um espaço... e fez-se movimento


conversa informal entre o fotógrafo, o modelo, o bailarino e o desportista

o fotógrafo, o modelo, o bailarino e o desportista

agnaldo lima - sérgio, quando e onde nasceste.
sérgio penajóia – ora, nasci a 19 de julho de 1986, no bairro da lapa, em lisboa.

al – qual é a tua formação académica como personal trainer e bailarino? explica como tudo começou.
sp - ora dividindo os temas:
personal trainer - sempre fui dado a área do desporto (ginástica, natação, futebol e agora dança). tentei seguir essa área e entrar na faculdade em desporto mas nunca consegui tirar nota a matemática para concorrer à faculdade. foi então que surgiu a academia do holmes place. reparei que podia ser algo que gostasse de fazer, apesar de não gostar propriamente de musculação pura e dura! mas era um conceito que me agradava, arrisquei e pronto. aqui ‘tou eu após varias formações, tanto que, inclusive, neste momento ‘tou a tirar pós graduação em treino funcional
bailarino - eu era guarda-redes e fui-o durante nove anos até que tive uma lesão na zona lombar. andei em fisioterapia e achei melhor terminar a minha grande carreira de jogador de futebol (risos). entretanto eu sempre gostei de ver a dança do hip hop e sempre foi um estilo de música que ouvi (apesar de ouvir de tudo, até mesmo instrumentais do mais simples que seja) e a maioria dos meus amigos pertencia a um grupo de dança que tinha inclusive sido vice-campeão ibérico. eu comecei a dar mais com eles por namorar com uma das raparigas e então comecei-me a envolver naquele mundo de dança. num dia fui experimentar uma aula, só mesmo para a palhaçada, pois um colega meu ia criar um grupo. foi então que fiz a primeira aula e até hoje ainda danço, tendo inclusive já dado aulas em alguns locais, e ainda dou na associação cotovia-sesimbra.


al - fala sobre as tuas actividades actuais, quer na dança, quer no teu dia-a-dia como profissional trainer.
sp - as minhas actividades...bem começando no pt que é o que me ocupa mais tempo.
como pt tenho que dominar a vertente da prática no ginásio, isto é, conhecer exercícios e como se fazem correctamente e dominar a parte teórica para saber como é que aquele músculo trabalha para depois lhe dar o melhor exercício, entre muitas outras coisas claro. mas tendo essa base de trabalho, de experiência, tenho de proporcionar aos meus alunos o melhor treino para eles, em que cada treino tem que ser o treino mais importante de sempre. cada pessoa tem que se dirigir ao ginásio com a mentalidade que aquele treino vai ser especial e é isso que tento proporcionar. estudar a pessoa e ver o que ela deve e não deve fazer, e o que vai mais gostar de fazer pois é importante a pessoa não fazer algo contrariada. sendo assim o meu dia a dia é claramente dar treinos, sejam de trinta minutos ou de uma hora... sejam individuais ou duo. mas passa por isso... acordar de manhã, despertar e alegrar-me porque vou fazer aquilo que gosto, por o meu cansaço de parte, pois não posso dar parte fraca, e seguir para o ginásio.
como bailarino tenho os ensaios do meu grupo onde trabalho na maior parte do tempo apenas como mais um bailarino do grupo (dascum) ou algumas vezes como coreógrafo a fazer uma ou duas coreografias. depois, neste momento ‘tou a dar aulas na associação cultural e desportiva da cotovia, as quartas e quintas, e no meu grupo treinamos as quartas e sextas, fora épocas de actuações ou competições em que temos que treinar mais horas e mais dias.

al - menciona as academias onde trabalhaste/trabalhas e o(s) grupo(s) onde danças e/ou dançaste
sp - comecei por fazer um estágio no holmes place de alvalade mas a trabalhar comecei mesmo no holmes place da avenida da liberdade. estive lá dois anos, sendo que nos ultimos seis, sete meses já estava a trabalhar noutros locais, entre eles solinca do colombo e no fitness4u.
neste momento apenas estou no fitness4u e estou a dar aulas na associação voz do alentejo, na quinta do conde, num projecto pessoal em que acaba por ser uma aula de grupo diferente das dos ginásios.
na dança comecei num grupo que nem nome tinha, era apenas aulas de aprendizagem mas depressa chegamos a um nome po grupo, os dascum, grupo onde permaneço ate hoje. dei aulas de dança numa associação nos foros de amora e agora dou na associação desportiva cotovia-sesimbra.

al - o que ou como te sentes quando danças?
sp - sinto-me bem (risos) não, ok, eu vou divagar então (risos) é muito bom porque em primeiro lugar há que gostar de ouvir música, sentir a música, dividir a música em cada batida, conseguir separar os instrumentos da voz... descodificar, então, a música para a sentir melhor. depois é deixar levar pela junção dos movimentos criados por nós, soltar-nos, pois o mais difícil no inicio é mesmo meter o corpo sem tensão nenhuma para nos movimentarmos melhor.

al - qual é, na tua opinião, a diferença entre dançar e treinar pessoas na preparação/manutenção física? quais são os teus sentimentos, as tuas emoções durante os dois processos?
sp - é bastante diferente. na dança o principal objectivo é relaxar, animar, ‘tar num mundo diferente por momentos em que se vive em função da música. no treino as pessoas são diferentes porque cada pessoa é única, cada pessoa tem a sua maneira de pensar, cada pessoa tem os seus problemas físicos, os seus objectivos... mesmo que duas pessoas queiram perder peso, tudo nelas é diferente, sejam lesões, seja o metabolismo, seja a motivação... então temos que nos entregar muito mais, é uma parte muito mais cansativa, não tanto a física como na dança em que temos que não parar de dançar. no treino apesar de ter alguma preparação física que tem de se ter, claro, mas o mais cansativo é por exemplo num espaço de três horas ‘tar com cinco pessoas diferentes e ter que nos adaptar psicologicamente para aquela pessoa que ali está por nós e temos que sentir que demos cem por cento.

al  - qual é o teu conceito real e/ou poético sobre o movimento do corpo humano, quer na dança, quer na preparação/manutenção física? é possível descrever com palavras?
sp – epa, não sou muito bom em poesia admito... o corpo humano é muito, muito complexo... o simples abrir uma porta, algo que fazemos todos os dias é algo poderoso fisicamente, trabalha tudo e mais alguma coisa. a dança, o simples step touch (passo básico de deslocar o corpo de um lado para outro) envolve um treino a nivel de cérebro muito forte pois a coordenação é algo bastante importante.
o movimento do corpo acaba por ser algo que, embora esse, não seja uma máquina, tem de funcionar como tal, tem de ser bem programado para não haver avarias.

al - obrigado, sérgio, pelo teu depoimento e por aceitares partilhar  deste projecto.
sp – obrigado!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo!
Deixe aqui o seu comentário e não se esqueça de voltar!
Obrigado!