Seja bem-vindo a este blog!


Seja bem-vindo(a) a este blog!

Criado com o intuito de partilhar momentos de criatividade, numa vertente poético-fotográfica, este espaço é aberto a todos os visitantes interessados no resultado que a metamorfose das emoções possibilita.

Atrevo-me, pois, a pendurar nas "paredes" desta minha "sala de visitas", o que constitui o acervo da minha galeria de lembranças.

Obrigado pela sua visita!

Agnaldo Lima


sábado, 24 de novembro de 2012

Descontração






fotografia & texto © agnaldo lima

Descontração
 
Dormir, sonhar e em cada sonho perpetuar o nada, realizar um desejo e ficar ausente à vida por instantes.
 
Fecundar no sonho, o ventre da mãe, distante e chorosa e beber no seu seio o veneno da desilusão.
 
Açoitar com delicadeza o bêbedo proscrito que dorme sobre o frio da calçada.
 
Adormecer sonhando e acordar sorrindo.
 
Destruir todas as angústias, desnudar a alma à escuridão do quarto e beber todas as sensações que a vida negou.
 
Com o esperma da ejaculação nocturna fecundar todas as mulheres virgens e povoar a terra com primogénitos.
 
Cada um deles será um Messias que salvará os homens do terror da morte.
 
Prosseguir caminho, explorando os becos escuros do subconsciente e descobrir todas as deficiências que o fazem escravo.
 
Beber, sem pressa, num trago, o desejo de não voltar.
 
Dormir!
 
Sonhar!



 

sábado, 17 de novembro de 2012

Os Castrados de Deus






 fotografia & texto © agnaldo lima




Os Castrados de Deus

Viver no mundo moderno…

Vestimo-nos com peles de cordeiros, e passeamos, garbosos, sobre as próprias carcaças, carregando, iguais a hienas, um riso sarcástico no canto das bocas.

Por inveja, símbolo da nossa incapacidade, aniquilamos, impiedosamente, o outro, naquilo que ele tem de mais precioso. Transformamo-nos em morcegos e sugamos-lhe o sangue, enquanto lhe sopramos a ferida para que ele não se aperceba do sangue que perde; assim, podemos voltar na noite seguinte, com a lingua afiada e despida de remorsos. 

Viver no mundo moderno exige esforço, rapidez e coragem para enfrentar o ritual de morrermos, lentamente, todos os dias. Da mesma forma, passiva e resignada, como o cordeiro recebe a sua morte, aceitamos o ritual da transformação e, assumimos, sem receio, a perda de tudo o que veio antes, como base para a maturidade que tanto nos exige.

Tudo é tão rápido, tão efêmero... nada cria raízes! Mal começamos a nos acostumar com o novo, algo mais novo aparece, destronando o objecto do nosso desejo. As relações sociais e afectivas, de forma sutil, vão sendo, também, devastadas pelo contágio da cultura do efêmero, do temporal.

Tornamo-nos descartáveis, da mesma forma em que descartamos os objectos que criamos. Descartar tornou-se um vício em torno do qual quase todos se confraternizam; é a febre de um momento que há muito começou e se perpetua à cada dia.

Descartamos as pessoas, pois é muito trabalhoso devolver-lhes o amor com o qual nos alimenta e, por isso, inventamos desculpas para nos livrar do que achamos chato, cansativo, monótono e incómodo.

Numa postura insolente de quem tudo sabe, de quem conhece todas as respostas, descartamos o outro à busca de um ilusório, de um egoísta e passageiro estado de paz.

Vivemos à busca do amor, da amizade, do companheirismo e quando isso acontece destruimos tudo, embriagados que ficamos pelo medo de sermos felizes. E, assim, vamos, ao longo da vida, desenvolvendo projectos inacabados. Depois, no meio da noite, choramos, sozinhos, frente ao espelho e descobrimos, enfim, a amplitude da nossa orfandade. 

Para compensar, os descartes que fazemos, enganamo-nos com o jogo do tudo reciclar, pois fica bem na fotografia, a pseudo preocupação com o destino do planeta. Mas, como temos memória curta, facilmente esquecemos de que somos o planeta; um planeta constituído por ilhas flutuantes que, ora se tocam, ora se repelem, umas mais selvagens que outras, mas todas prisioneiras do mesmo medo que as mantém solitárias.

Reciclamos tudo, mas não reciclamos o amor, não reciclamos a amizade, não reciclamos o companheirismo e todos os valores primários que nos colocaram sempre e, de forma errónea, à frente dos outros animais.

As oportunidades nem sempre se repetem, e, quando acontece, nem sempre nos encontram no mesmo lugar, disponíveis  a aceitá-las. Por isso, deixamos passar tantos momentos únicos, os quais só nos enriqueceriam, movidos que somos pelo absurdo medo, pela tacanha crença de sermos diferentes, numa frágil certeza de cada um ser um personagem único e superior escolhido por algum deus.

Quase ninguém está imune a essa doença que se propaga, de geração em geração, como um castigo dictado por deuses arrependidos da obra que criaram. Quase ninguém escapa à essa epidemia, à essa tatuagem talhada na carne e no espírito, como se fora um desígnio genético.

O mundo moderno destina-se a quem é jovem, belo, rico e sem defeitos aparentemente provocadores de incómodo social. A matéria humana que o alimenta, já nasce pronta. É a geração do “prêt-à-porter”. A selecção é impiedosa, feita com requinte. E os destituídos de tais predicados continuarão a rastejar, iguais a vermes, em busca de um pouco de sol.

Quantas ilhas flutuantes tiveram as suas almas assassinadas no florir das suas existências, por outras almas sedentas de prazer e famintas de maldade?... Quantas outras ilhas continuarão a ser decepadas, decapitadas, estranguladas, bombardeadas e extintas por carrascos mascarados de falsos sorrisos e palavras doces, bem intencionadas?...

Caminhamos, sem rumo, por ruas indecisas, levando, cada um, a sua carcaça anestesiada, tal sarcófago, em cujo interior guarda as cinzas do que a sua alma já fora. 

Somos as flutuantes ilhas castradas de Deus, castradas pelas próprias irmãs nascidas da mesma fornalha.


 

sábado, 10 de novembro de 2012

máscaras






 fotografia,  texto e tradução © agnaldo lima 
 
 
máscaras
 


na multidão, onde as pessoas se perdem entre o fumo do tabaco e o o odor do álcool, ainda existe o sorriso de um pequeno deus para compensar a solidão que se esconde atrás das máscaras dos homens tristes.

 

dans la foule, où les gens se perdent, parmi le brouillard des cigarettes et l’odeur de l’alcool, il y a encore le sourire d’un petit dieu pour compenser la solitude que se cache derrière les masques des hommes tristes.

 
in the crowd, where people get lost amid the smoke of cigarettes and the odor of alcohol, there is still the smile of a little god to compensate the loneliness which lurks behind the masks of sad men.
 
 



 

sábado, 3 de novembro de 2012

A Irrecuperabilidade do Tempo by Agnaldo Lima







 fotografia & texto © agnaldo lima




A Irrecuperabilidade do Tempo
 
Agnaldo Lima
 
Somente tarde, muito tarde, constatamos tudo o que deixamos incompleto, pelo caminho, na falsa esperança de, um dia, voltarmos e consertarmos tudo.  Como se a juventude fosse eterna e acreditássemos que, somente os outros envelhecessem, dando-nos o status de príncipes da longevidade, onde tudo fosse permitido; até mesmo esquecer aqueles que nos amaram e que viam em nós os seus eternos cúmplices nessa longa viagem, através da sinuosidade do tempo.
 
No ímpeto dessa enganosa juventude, colocamos em suas bocas, deliciosos sabores, para, mais tarde, serem transformados no sabor de coisas perdidas. Enquanto isso, na nossa boca acumulávamos um travo de esperança arquivada no futuro, cuja chave ficaria eternamente perdida no passado. Nem sequer atentamos para as furtivas lágrimas que enevoavam os seus olhares, ante a capa do nosso olhar egocêntrico e precocemente preso além do presente.
 
Nosso álibe seria a sensação de segurança de um dia voltarmos e, num passe de mágica, recuperarmos o beijo não dado, o aconchego omitido, a palavra de redenção não proferida, ou o abraço que nos resgatasse da solidão.
 
Certamente não tínhamos a consciência de que o tempo transformar-se-ia num pavoroso iceberg e tal um gigante, agiria como sentinela, não nos deixando voltar! E, obedecendo à trágica lei do caminho sem volta, anestesiaria a nossa consciência e, somente muito depois, descobriríamos, com clareza e remorso, que alguns já haviam partido e que outros já não reconheceriam a nossa voz, nem a neve que se acumularia sobre os nossos cabelos. Assim sendo, quando esse momento chegasse, restaria, apenas, sentir na alma o ardor incómodo da chama que corrói e o longínquo sabor dos beijos que tivemos, se é que assim o fora.
 
Para o nosso consolo, o qual não apasiguaria a nossa dor, outros viriam depois de nós e, palmilhariam o nosso mesmo trajecto, reproduzindo os nossos mesmos gestos, numa interminável repetição de códigos milenares, os quais compunham a herança que tivemos e que, indubitavelmente haveríamos de deixar. Eles sentiriam os mesmos cheiros que sentimos, chorariam as mesmas lágrimas que choramos e se consumiriam de prazer no vigor do mesmo riso que tivemos. E num dia, lá bem distante, sentiriam o desejo de, também, voltar e, como nós, olhariam indefesos para trás e constatariam, com saudades, que o seu tempo acabou.